Asma: como prevenir e tratar as crises

Dia 21 de junho é marcado como o Dia Mundial de Combate a Asma, doença que causa inflamação crônica das vias aéreas e atinge mais de 6,5 milhões de brasileiros. A doença é conhecida por causar, principalmente, dificuldade para respirar quando a pessoa é exposta a ambientes e/ou objetos que podem provocar reações alérgicas, mudanças climáticas e situações que exigem esforço físico. Saiba o que é possível fazer para conviver com a asma.

Causas da asma

 

Ainda não se sabe qual é a causa exata da asma, mas acredita-se que fatores como o histórico familiar para alergias respiratórias ou as condições do ambiente podem influenciar o aparecimento da doença.

É comum que os sinais e sintomas sejam mais acentuados durante a infância e diminuam, ou até desapareçam, na puberdade. Porém 2/3 dos portadores de asma na infância voltam a apresentar sintomas na vida adulta. É importante ressaltar que essa doença pode se desenvolver em qualquer idade, até mesmo em pacientes idosos que nunca tiveram asma. 

Principais sinais e sintomas da asma

  • Dificuldade para respirar;
  • Desconforto torácico (aperto no peito);
  • Tosse;
  • Chiado no peito;

 

Em alguns casos, as crises podem causar insônia e reduzir a capacidade de fazer atividades do dia a dia.

 

Como é feito o diagnóstico da asma

 

Para fazer o diagnóstico, o médico leva em conta os sinais e sintomas do paciente, histórico de saúde e um exame chamado espirometria, que mede a quantidade de ar que entra e sai do pulmão.

 

Definir o grau da asma é importante para escolher o melhor tratamento. A doença pode ser de quatro tipos que apresentam as seguintes variações de sintomas:

 

Tratamento da asma

 

Apesar de ser uma doença crônica, existe tratamento medicamentoso que permite ter uma vida normal, ou seja, sem crise. Além de cuidados como evitar a exposição a fatores que desencadeiam e pioram as crises, fazer acompanhamento regular com o médico e adotar bons hábitos de saúde.

Os dois tipos de medicamentos que são mais frequentemente prescritos são:

  • Anti-inflamatórios inalatórios de uso contínuo através de dispositivos inalatórios (a famosa “bombinha”);
  • Medicamentos para dilatar brônquios, que aliviam os sintomas persistentes da asma.

O uso deve ser feito somente com prescrição médica, para que não haja efeitos colaterais. Procure seu médico.

Medidas que ajudam a controlar a asma 

Hábitos e cuidados para ter fora de casa:

  • Evite se expor a lugares com muita poeira, fumaça e poluição;
  • Não fique perto de pessoas que estão fumando;
  • No caso de crianças com asma, se estiverem doentes, não devem ir à escola;
  • Mantenha-se agasalhado, principalmente em época de frio;
  • Evite se expor a ambientes com cheiro forte.

Cuidados para que sua casa seja um ambiente saudável:

  • Não permita que fumem nos espaços fechados;
  • Animais domésticos devem ficar do lado de fora, se possível;
  • Evite juntar pó e sujeira;
  • Colchões e travesseiros devem ser forrados com material impermeável;
  • Baratas estão relacionadas com alergias. Se tiver problemas, dedetize o local.
  • Evite bichinhos de pelúcia, almofadas, tapetes e protetor de berço pois costumam fixar ácaros, que provocam alergias;
  • Evite o uso de carpetes.

Bons hábitos de vida que diminuem os fatores de risco da asma:

  • Não fume;
  • Pratique atividades físicas regularmente (com orientação médica, para não ter efeito contrário);
  • Tome a vacina da gripe;
  • Beba ao menos dois litros de água por dia;
  • Mantenha o peso ideal. A redução do peso em pessoas obesas melhora a função do pulmão.

Fonte: parceiros Supermed.